AMAZONAS

Crimes eleitorais e condutas vedadas são tema de palestra no Feclam 2024

Os participantes da 4ª edição do Fórum Estadual das Casas Legislativas do Amazonas (Feclam 2024), nesta sexta-feira (19/4), que já foi incluído no calendário oficial da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), tiveram oportunidade de conhecer mais sobre as condutas vedadas e crimes eleitorais, passíveis de punição nas próximas eleições de outubro. O facilitador da palestra foi o advogado Renan Miranda, especialista em Direito e Processo Eleitoral.

O advogado explicou que configuram crimes eleitorais a compra de votos, doações ilegais, crimes contra a honra, divulgação de notícias falsas, boca de urna, coação de eleitores, derrame de santinhos, divulgação de pesquisas falsas e utilização de recursos públicos na campanha.

“É uma palestra bem dinâmica e prática, mostramos alguns casos e situações que envolvam crimes eleitorais e condutas vedadas. A gente sabe que, a cada ano que passa, o direito eleitoral está mais em voga, então é preciso entender como algumas condutas podem impactar diretamente as candidaturas. Cabe ao pré-candidato saber disso para orientar sua assessoria e também para se blindar de situações que acontecem durante a campanha”, explicou Miranda.

O presidente da Câmara Municipal de Borba (distante a 151 quilômetros de Manaus), vereador Miguel Lima (DC), considerou a palestra muito importante por esclarecer o que pode e o que não pode ser feito nas eleições. “O esclarecimento que nós tivemos hoje foi muito propício, neste momento em que vamos enfrentar mais uma eleição. E muita coisa mudou, por isso foi excelente para a gente se inteirar das leis, dos crimes e condutas vedadas, se inteirar do que pode e o que não pode”, afirmou.

O vereador Ismael Mendes Filho (UB), de São Sebastião do Uatumã (247 quilômetros), afirmou que a palestra serviu para aprender sobre condutas vedadas no dia da eleição, como derrame de santinhos. “O que eu aprendi hoje, que é importante e uma coisa que se pratica muito, é sobre jogar o santinho nas ruas. Eu não sabia que é um crime eleitoral. É muito bom as pessoas saberem, porque é uma prática de muitos anos, que na cabeça das pessoas é uma ferramenta que vai agregar, mas agora a gente sabe que é um crime eleitoral”, explicou.

De acordo com a Resolução nº 23.735, de 27 de fevereiro de 2024, as seguintes condutas são proibidas: Abuso de poder, fraude, corrupção, arrecadação e gasto ilícito de recursos de campanha e captação ilícita de sufrágio.

Via Diretoria de Comunicação Aleam

Foto: Alberto César Araújo

#feclam2024 #aleam #amazonas

Postagens relacionadas

“É o momento para discutirmos o desenvolvimento econômico”, diz Wilson Lima durante 26º Fórum dos Governadores da Amazônia Legal

Jamil Maciel

Secretaria de Educação abrirá inscrições para PSS com mais de 3,6  mil vagas para novos professores

Paulo Apurina

Manaus oferta 123 vagas de emprego para esta quarta-feira, 28/7

Paulo Apurina
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Verified by MonsterInsights