SAÚDE

Informe atualiza cenário de Rabdomiólise por Doença de Haff nesta terça-feira

Boletim é divulgado quinzenalmente

A Secretaria de Estado da Saúde do Amazonas, por meio da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas – Dra. Rosemary Costa Pinto (FVS-RCP), divulga, nesta terça-feira (28/11), o Informe Epidemiológico de rabdomiólise por Doença de Haff no Amazonas. O documento está disponível em: https://abre.ai/hsws.

No Amazonas, de janeiro até esta terça-feira (28/11), foram notificados 98 casos, sendo 65 compatíveis e 30 descartados. Os casos compatíveis correspondem a pessoas residentes em: Itacoatiara (43), Manaus (9), Parintins (5), Manacapuru (3), Careiro da Várzea (2), Nova Olinda do Norte (1), Borba (1) e Silves (1). Não há óbitos relacionados à doença.

A FVS-RCP esclarece que a equipe do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs) no Amazonas realiza rastreio, em parceria com as equipes de Vigilância Epidemiológica municipais, sobre a identificação dos casos que atendem à definição de caso suspeito de rabdomiólise compatível com a Doença de Haff, resultando no quantitativo de 65 casos compatíveis.

Serviço de Saúde

A FVS-RCP destaca que toda a rede de saúde, incluindo unidades privadas e públicas, da capital e interior, está orientada para realizar atendimento de casos suspeitos de rabdomiólise.

Sobre a rabdomiólise

A rabdomiólise é uma síndrome que pode ocorrer em função de agravos diversos, como traumatismos, atividades físicas excessivas e infecções, ou ainda devido ao consumo de álcool e outras drogas. Quando associada ao consumo de pescados, a síndrome é denominada doença de Haff.

Os sinais e sintomas mais frequentes, entre os casos compatíveis, são: mialgia (dor muscular), mal-estar, náuseas, fraqueza muscular, dor abdominal, vômito e urina escura.

Fonte: FVS

Foto: Lucas Macedo

Postagens relacionadas

Enfermeiros comemoraram contratação direta pelo Estado e deixam de ser terceirizados

Jamil Maciel

Prefeitura aprimora cuidado em saúde mental da população indígena por meio de rede intersetorial

Jamil Maciel

Diagnóstico aponta Manaus com médio risco para doenças transmitidas pelo Aedes aegypti e 19 bairros em alta vulnerabilidade

Jamil Maciel
Verified by MonsterInsights