SAÚDE

Informe epidemiológico da prefeitura apresenta dados atualizados de casos de arboviroses

O Informe Epidemiológico das Arboviroses, da Prefeitura de Manaus, apresenta dados atualizados de casos de dengue, zika, chikungunya e oropouche registrados no município, em sua nova edição, divulgada nesta segunda-feira, 25/3. A publicação, elaborada pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), chega a sua edição nº 12, com números relativos à Semana Epidemiológica 12, de 17 a 23 de março de 2024.

O informe epidemiológico relata 29 casos confirmados de dengue, de um total de 174 casos suspeitos, notificados na última semana. De 1º de janeiro até 23 de março de 2024, o município totaliza 1.710 casos confirmados, dentre 7.251 casos notificados da arbovirose, dos quais 1.118 seguem em investigação. O número de óbitos confirmados da doença permanece em um, e outros dois estão sendo investigados.

Os registros de zika incluem um caso notificado, sem confirmação de casos novos, na última semana. No acumulado do ano, o município soma 62 casos suspeitos e 18 confirmados da doença, estando outros 13 casos atualmente em investigação. Não há óbitos confirmados ou em investigação.

Constam no informe epidemiológico da Semsa dois casos suspeitos de chikungunya, não havendo novos casos confirmados da doença. Em 2024, a doença totaliza quatro casos confirmados, dentre 68 casos notificados, 33 dos quais seguem sendo investigados. Não há registro de óbitos confirmados ou em investigação pela arbovirose.

A publicação relata ainda quatro novos casos de oropouche, somando 846 casos da doença neste ano, todos confirmados mediante critério laboratorial. O número de óbitos pela arbovirose se mantém em um, confirmado por critério laboratorial, não havendo outros óbitos ou casos em investigação. O informe não traz dados de casos notificados da doença, que não constitui agravo de notificação compulsória.

Os dados do Informe Epidemiológico das Arboviroses da Semsa provêm do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) e do Gerenciador de Ambiente Laboratorial (GAL), estando sujeitos à atualização. A publicação é elaborada pelas gerências de Vigilância Epidemiológica, de Vigilância Ambiental e Controle de Agravos por Vetores, e do Centro de Informações Estratégicas de Vigilância em Saúde da secretaria.

Enfrentamento

A Semsa conduz ações permanentes de prevenção e controle das arboviroses, reforçadas no período das chuvas, de novembro a abril, mais favorável à reprodução do Aedes aegypti e outros mosquitos vetores das doenças. A secretária municipal de Saúde, Shádia Fraxe, enfatiza que o enfrentamento da dengue exige um esforço coletivo, não só do poder público, como de toda a população.

“Todos os moradores devem contribuir, vistoriando quintais e casas para eliminar focos de água parada, onde o Aedes se reproduz. Quem mantém o mosquito longe de casa também afasta a doença da família e da comunidade”, aponta.

Shádia orienta a população a fazer vistoria em suas casas a cada semana, seguindo as medidas do Checklist 10 Minutos contra a Dengue. “Observe se as caixas d’água estão bem tampadas, limpe calhas e ralos, recolha dejetos que podem conter água, como copos e garrafas. Em poucos minutos, você contribui para evitar infestações e prevenir que mais pessoas fiquem doentes”.

Como parte das ações de combate, equipes da Semsa percorreram as ruas do bairro Alvorada, na zona Centro-Oeste, na sexta-feira, 22/3, realizando vistorias e inspeções em casas e comércios para sensibilizar a população para as ações de prevenção e eliminação de criadouros. A mobilização teve o apoio da Secretaria Municipal de Limpeza Pública (Semulsp) e de representantes de Conselhos Locais de Saúde, escolas e líderes comunitários.

Imunização

As estratégias da Semsa no combate às arboviroses incluem ainda a vacina contra a dengue, disponível em 73 pontos de imunização da pasta, distribuídos em todas as zonas geográficas da cidade. Shádia informa que o imunizante é indicado para crianças e adolescentes de 10 a 14 anos, e reforça o papel de pais e responsáveis em assegurar que os filhos recebem as doses necessárias.

“A imunização deve fazer parte do compromisso dos pais no cuidado com a saúde das crianças. A Qdenga, ofertada na rede municipal, reduz o risco de infecção e de complicações pela doença, então não deixem de buscar o posto de saúde e vacinar seus filhos”, orienta.

Conforme Shádia, a meta da estratégia de vacinação é alcançar pelo menos 90% da população-alvo, estimada em 162.708 adolescentes e crianças. “É importante notar que estamos vivendo alta nos casos de dengue em todo o país. Em Manaus, o total de casos neste ano já é maior que o de todo o ano passado. Nesse cenário, é ainda mais importante assegurar a vacinação dos nossos jovens”, assinala.

As crianças e adolescentes devem permanecer em observação na unidade de saúde por um período de 15 a 30 minutos, após a aplicação da dose, em atenção às diretrizes do Ministério da Saúde. “Essa medida visa a observação de possíveis processos alérgicos pós-vacina, assegurando a atenção necessária para aquela criança ou adolescente após o procedimento”, assinala Shádia.

Os pais e responsáveis podem consultar a lista das 73 salas de vacina da Semsa pelo site semsa.manaus.am.gov.br, com acesso direto pelo link bit.ly/salasvacinaqdenga. A lista traz os endereços e horários de funcionamento de todas as unidades que atuam na estratégia de imunização.

Ao comparecer na unidade de saúde, as crianças e adolescentes devem estar acompanhados de um dos pais ou de um responsável, levando documento oficial de identificação, Cartão Nacional de Saúde (CNS) ou CPF, e cartão de vacina. 

Fonte: Semsa

Foto: Divulgação   

Postagens relacionadas

Prefeitura de Manaus interdita depósito irregular de resíduos de saúde na zona Centro-Sul da cidade

Jamil Maciel

Malária: Amazonas fecha 2022 com menor número de casos da doença dos últimos quatro anos

Vilhena

Acelerar ritmo de vacinação infantil pode salvar vidas, mostra estudo

Paulo Apurina
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Verified by MonsterInsights