CULTURA

Lutas e conquistas juntas em livro dedicado à diaspora dos Venezuelanos em Manaus

Músico dedica livro de desenvolvimento humano à inmigrantes, inspirado em histórias de sofrimentos, mas também de empoderamento dos venezuelanos na capital do Amazonas

O Teatro Manauara será palco no próximo dia 27 de novembro, às 9h, para um inédito lançamento de uma obra voltada ao público de imigrantes venezuelanos instalados em Manaus. O livro “De Refugiado a Conquistador”, do músico e conferencista Luis Rafael Gonzalez, é o resultado do acompanhamento do autor a muitos dos seus conterrâneos no processo migratório no Amazonas, não sob a ótica da vitimização, que todo estrangeiro longe da sua terra carrega, mas no redescobrimento do seu protagonismo por meio de suas habilidades naturais.

Para o autor, a verdadeira ‘migração’ deve acontecer na mente, especialmente dos venezuelanos, que foram obrigados, por situações intoleráveis, a deixar sua pátria, mas que nunca imaginaram a dura realidade que enfrentariam fora de suas fronteiras.

“Neste livro você encontrará, além de detalhes que provavelmente não conhece sobre esse o processo migratório, princípios práticos, comprovados na minha experiência, na orientação de centenas de irmãos e no incentivo para que todos conquistem novos territórios com nobreza ao se desfazer de tudo: o peso da vitimização que os impede de atingir seu pleno potencial”, justifica Gonzalez.

Na publicação, o escritor ainda revela que se transferiu à Manaus com a ideia fixa de se manter por aqui vivendo da paixão pela música onde já tem uma carreira consolidada. Mas, a realidade dos seus compatriotas fez o artista mudar de opinião. “Queria, de alguma forma, ajudá-los, mas não com a visão assistencialista que o populismo nos ensinou. Mas, com uma visão de mudança de mente, de troca de paradigmas, de tirá-los da vitimização e empodeirá-los como conquistadores, com a visão de restaurar a sua verdadeira identidade como filhos de uma nação que ajudou na libertação de cinco países do continente”, resume.

E, nem só de “pequenas vendas” nos semáforos ou “morando em tendas improvisadas” vive a colônia venezuelana em Manaus. Luis Rafael Gonzalez conta que grande parte dos imigrantes já conseguiu um lugar ao sol. Eles estão inseridos em vários segmentos do mercado, como técnicos em refrigeração, cabelereiros, manicure ou postos em supermercados. “Além disso, outros se estabeleceram como donos de seus próprios negócios e empreenderam em ramos como restaurantes, construtoras, salões de beleza, lanchonetes, etc.”, enumera o escritor que compartilha de sua experiência de apoio aos imigrantes como mentor de muitos deles por meio de palestras e seminários motivacionais.

Fonte e Foto: Divulgação

Postagens relacionadas

Governo do Amazonas anuncia ‘O Mundo Encantado do Natal’, com programação em 20 municípios e na capital

Paulo Apurina

Como ser corno em 5 passos

Luan Brito

Feira de Economia Criativa estreia com sucesso no Centro Cultural dos Povos da Amazônia

Paulo Apurina