BRASIL MEIO AMBIENTE

PLATAFORMA DIGITAL LANÇADA POR MINISTÉRIOS DURANTE A COP26 VAI FINANCIAR PRESERVAÇÃO DE FLORESTAS

A mídia ignorou, mas aqui Nós Te Contamos: Durante a Cúpula do Clima (COP26) o Governo Federal lançou (11/11) a plataforma digital Floresta+O novo sistema vai propiciar o pagamento a pessoas físicas e jurídicas que desenvolvem projetos de preservação florestal. Cerca de 80 mil produtores rurais devem ser contemplados inicialmente. A meta do Floresta+ é acompanhar 380 mil hectares por ano de áreas em conservação e 180 mil hectares em áreas de recuperação florestal, cadastrando os projetos e as propriedades onde eles são realizados. O pagamento por serviços ambientais do Floresta+ virá de financiamentos do setor privado e de fundos de cooperação internacional.  

Plataforma digital fará pagamento por preservação de florestas

A iniciativa faz parte do programa Floresta+ e conta com o apoio do Ministério da Economia

Os Ministérios do Meio Ambiente (MMA) e da Economia lançaram nessa quinta-feira (11/11) durante a Cúpula do Clima (COP26), em Glasgow, na Escócia, a plataforma digital Floresta+. O novo sistema vai gerenciar o pagamento a pessoas físicas e jurídicas que desenvolvem projetos de conservação em áreas de preservação permanente e reservas legais. Cerca de 80 mil produtores rurais devem ser contemplados inicialmente.

A ação integrada foi anunciada pelo ministro do Meio Ambiente, Joaquim Leite, o secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Caio Mario Paes de Andrade, o secretário de Governo Digital, Fernando Coelho Mitkiewicz, e a secretária da Amazônia e Serviços Ambientais, Marta Giannichi. “A plataforma vai servir tanto para um produtor rural, quanto para uma comunidade. De várias formas vamos usar essa plataforma para conectar a floresta às pessoas, reconhecer e remunerar o serviço que essas pessoas fazem”, afirmou o ministro Joaquim Leite.

O sistema vai permitir o cadastro dos projetos e das propriedades onde eles são realizados. As informações serão checadas por técnicos do governo federal e, se forem validadas, a pessoa física ou jurídica receberá um certificado do programa Floresta+. A meta é acompanhar 380 mil hectares por ano de áreas em conservação e 180 mil hectares em áreas de recuperação florestal.

A proposta é receber projetos que vão desde conservação da vegetação nativa, estoques de carbono, regulação do clima, reciclagem, segurança hídrica, até proteção do solo. A ferramenta vai permitir o cadastrado dos beneficiários, geração de folha de pagamentos junto ao banco que for selecionado em edital, além de disponibilizar um canal de relacionamento com o contemplado (solicitação, validação de elegibilidade, notificações).

Conforme o Ministério do Meio Ambiente, o pagamento por serviços ambientais do Floresta+ virá de financiamentos do setor privado e de fundos de cooperação internacional. A plataforma digital Floresta+ é desenvolvida com o apoio do programa Startup gov.br, do Ministério da Economia, que visa a aceleração de projetos prioritários de digitalização no Governo Federal. Uma Startup gov.br específica, a Startup Floresta +, já está em implantação para atuar na ação.

Com informações do Ministério do Meio Ambiente e Casa Civil

Postagens relacionadas

Brasília recebe a maior feira de arte indígena já realizada no país

Paulo Apurina

Secretário Nacional de Saúde Indígena defende retirada de garimpeiros da terra yanomami. Governo Federal prepara hospital de campanha para atender os yanomami em RR

Paulo Apurina

Telessaúde busca reduzir mortalidade de indígenas no Médio Solimões

Paulo Apurina
Verified by MonsterInsights