AMAZONAS

Produtores de mel são regularizados para atuar na meliponicultura em Urucará

Os meliponicultores receberam cinco Cadastros de Criadores de Abelha sem Ferrão e uma Licença Ambiental Única (LAU)

Meliponicultores de Urucará (261 quilômetros distante da capital) receberam, nesta quarta-feira, cinco Cadastros de Criadores de Abelha sem Ferrão e uma Licença Ambiental Única (LAU) para exercerem a meliponicultura de forma regular e sustentável. O cadastro e licença foram entregues pelo Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (IDAM), por meio da Unidade Local Idam/Urucará, que viabilizou a emissão dos documentos junto ao Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam).

Com os documentos em mãos, os meliponicultores têm o ‘sinal verde’ para atuar na produção de mel de forma adequada, de acordo com a legislação ambiental vigente no país e com maior controle da atividade. O Cadastros de Criadores de Abelha sem Ferrão possibilita ao produtor de mel trabalhar com até 49 colônias, enquanto a LAU permite a atuação com 50 a 199 colônias de abelhas sem ferrão, segundo informou a Gerência de Apoio à Agroecologia e Produção Orgânica (Geapo) do Idam.

“O Idam esclarece que a LAU e o cadastro são obrigatórios para o exercício da meliponicultura e, como órgão de assistência técnica e extensão rural (Ater), presta todas as orientações referentes aos documentos, da solicitação à emissão, que é realizada pelo Ipaam”, disse o gerente da Geapo, Mário Ono.

A solicitação pode ser feita nas Unidades Locais (Unlocs) e postos avançados do Idam distribuídos nos 62 municípios amazonenses. Para requerer o cadastro, o meliponicultor precisa apresentar RG, CPF, comprovante de residência, também da propriedade, além do Documento de Origem das Colônias (termo de plantel pré-existente, conforme modelo disponibilizado pelo Ipaam). Já em relação a LAU, são necessários os mesmos documentos citados anteriormente, mais o Cadastro Técnico Federal (CTF), o Cadastro Ambiental Rural (CAR) e certificado de curso de meliponicultura.

“Após o recebimento da documentação e preenchimento, técnicos do instituto realizam uma visita técnica à propriedade onde a atividade será desenvolvida e, concluída essa etapa, a solicitações da LAU e cadastro são encaminhados ao Ipaam”, explicou o gerente.
O Idam destaca, ainda, que se estiver regularizado, ou seja, munidos de todas as documentações necessárias, o meliponicultor tem acesso a benefícios e acesso a políticas públicas, como o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA).

Produção de mel no Amazonas

Em 2023, a produção média de mel do Amazonas atingiu a marca de 30 toneladas. Neste ano, o Idam vai intensificar as ações voltadas ao fortalecimento da meliponicultura no estado, que tem Barreirinha, Boa Vista do Ramos e Iranduba como os maiores representantes.
Com a regularização dos produtores de Urucará, o município também entra na rota onde a produção deve ganhar destaque em 2024. Vale destacar que, em 2023, a produção média de mel em Urucará foi de 1,5 tonelada.

Fonte: Idam

Foto: Abrahão Graham

Postagens relacionadas

Agricultores indígenas são beneficiados com equipamentos agrícolas

Vilhena

Presidente da Aleam, Roberto Cidade recebe caderno de soluções ‘Amazônia que Eu Quero’, do CEO do Grupo Rede Amazônica

Vilhena

Roberto Cidade é o 4º deputado estadual, proporcionalmente, mais bem votado do Brasil

Vilhena
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Verified by MonsterInsights