ESPORTE

Técnicos dos clubes paulistas estão sob pressão por mau desempenho

Sylvinho (Corinthians), Abel (Palmeiras) e Crespo (São Paulo) têm números abaixo das expectativas de suas torcidas

Apesar das rivalidades, Corinthians, Palmeiras e São Paulo têm um ponto em comum neste Campeonato Brasileiro. Os três técnicos das equipes da capital paulista estão pressionados por desempenhos abaixo do esperado por suas torcidas.

O Palmeiras, de Abel Ferreira é o mais bem colocado na tabela do Brasileirão, na 2ª colocação, atrás somente do líder Atlético-MG e apenas 4 pontos de diferença para o 3° colocado, Flamengo, que tem dois jogos a menos. Há ainda, a disputa da semifinal da Copa Libertadores.

A princípio, quem olha não enxerga grandes problemas, mas o retrospecto geral deste ano não agrada os torcedores e cartolas. Abel comandou o time em 46 partidas desde o começo do ano e saiu vencedor em 27 delas, empatou 7 vezes e perdeu 12. No total, o gajo teve um aproveitamento de 63,7% à frente da equipe.

Sylvinho começou no comando do Corinhthians logo após o final do Paulista deste ano e soma 25 jogos no comando do time de Itaquera. No Brasileiro, o treinador tem números razoáveis, com 7 vitórias, 10 empates e 6 derrotas.

Na Copa do Brasil, o Timão foi eliminado pelo Atlético- GO, após um empate e uma derrota. O aproveitamento do técnico é de 45%.

O São Paulo de Hérnan Crespo foi campeão do Paulistão, mas o desempenho nos jogos intrigam os torcedores tricolores, principalmente pela quantidade de falhas individuais dos jogadores, que determinaram a perda da classificação nas semi-finais da Copa do Brasil, para o Fortaleza, por exemplo.

Crespo tem 52 jogos no comando do time com um  retrospecto de 24 vitórias, 16, empates e 12 derrotas, em 2021. O aproveitamento do argentino no clube é de 57,5%.

Apesar da pressão em cima dos comandantes, os clubes, à princípio, não pensam na troca dos treinadores, ainda mais por conta da nova regra que passou a vigorar no início da competição nacional, em que os clubes não podem demitir técnicos mais de uma vez durante a competição.

Ou seja, caso Abel, Sylvinho ou Crespo sejam dispensados, o clube teria que manter o sucessor até o final da temporada.

Essa condição tem pesado bastante na decisão dos dirigentes em apostar na contratação de novos técnicos, ou em manter um profissional até o final apesar dos resultados ruins que possam aparecem no decorrer da temporada.

*estagiário do R7, sob supervisão de André Avelar

Fonte: R7

Foto: Divulgação

Postagens relacionadas

Pelé deixa UTI, mas resultado da biópsia não é divulgado

Paulo Apurina

Gabriel Medina conquista título do Circuito Mundial de Surfe

Paulo Apurina

Prefeitura de Manaus encerra campanha com ‘aulão’ de ritmos no Faixa Liberada da Ponta Negra

Jamil Maciel