EDUCAÇÃO

Universitários catalogam mais de 300 projetos da mapoteca doada pela prefeitura à Ufam

Estudantes da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) já concluíram metade do trabalho de catalogação e identificação de mais de 300 projetos de arquitetura, urbanismo e paisagismo da cidade, de mapotecas doadas pela Prefeitura de Manaus, que faziam parte do acervo técnico do Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb). A quinta turma de estudantes voluntários para fazer o trabalho deve ser fechada em maio.

Os projetos arquitetônicos físicos catalogados somam mais de 1.200 pranchas em diversos formatos, compreendendo o período de 1993 a 2000. Os trabalhos estão na metade das gavetas da mapoteca, conforme explicou o coordenador do Grupo de Pesquisa Arquitetura Moderna na Amazônia (Grupo Ama), arquiteto Marcos Cereto, da Faculdade de Tecnologia da Ufam.

“Atingimos a metade, mas dependendo da gaveta da mapoteca, às vezes, podemos ter mais ou menos projetos arquivados. Mas, na média, chegamos à metade da catalogação”, explicou Cereto.

A estimativa é que, após a conclusão dos trabalhos de catalogação e identificação, se tenha uma relação de todos os projetos, acessível no site do Nama (nama.ufam.edu.br). Há tratativas com o Implurb e outras entidades para encontrar soluções para digitalizar o conteúdo, para que ele fique disponível para a sociedade.

“É um trabalho que envolve um grupo de estudantes voluntários do curso de arquitetura e estamos em uma atividade acadêmica, para identificação de cada projeto, separação deles e, então, uma ação mais técnica, que é verificar prancha por prancha quais são as informações, a autoria, o desenhista que participou muitas vezes da elaboração. E isso envolve um determinado tempo”, comentou o arquiteto.

Acervo
O acervo agora tem a guarda e responsabilidade de manutenção pelo Nama. As mapotecas são de uma época anterior à computação gráfica e o material é composto de projetos feitos em pranchetas em papel vegetal, papel manteiga e plantas técnicas.

Para o vice-presidente do Implurb, arquiteto e urbanista Claudemir Andrade, esse acervo é muito importante pela história dos profissionais e pelos projetos desenvolvidos para Manaus e na capital no período, especialmente da década de 1990. “Estamos no caminho certo para resgate dessa memória e manutenção”, comentou.

No acervo, estão projetos realizados ou não de maternidades, escolas, sede da Prefeitura de Manaus, postos de saúde, parques, praças e intervenções viárias. Conforme primeira verificação do material recebido do arquivo do Implurb, entre os projetos está um antigo do calçadão da Ponta Negra, realizado no final da década de 1990, pelo arquiteto Severiano Porto.

As plantas e projetos das mapotecas compõem a história do planejamento urbanístico da capital amazonense, da época da extinta Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano (Semdurb), que deixou de existir em 2006, dando lugar ao Implurb.

Conforme Cereto, o Nama já tem o acervo do arquiteto Severiano Porto, um dos mais significativos nomes do Amazonas, além do acervo privado do arquiteto José Henriques, que foi ex-presidente do Implurb.

Fonte: Implurb

Foto: Divulgação

Postagens relacionadas

Prefeito David Almeida assina novas progressões de servidores da Educação

Jamil Maciel

Inep publica lista final dos aprovados no Revalida 2023

Paulo Apurina

Prefeitura de Manaus entrega sexta escola revitalizada no bairro Zumbi

Jamil Maciel
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Verified by MonsterInsights