BRASIL

Voto Impresso terá sempre veto do STF, mesmo se o Congresso Nacional aprovar

Novo modelo de urna eletrônica, com impressão do voto, chegou a ser apresentada pelo TSE em 2017. Foto: TSE

Supremo Poder: Em 2015 o Congresso Nacional derrubou o o veto de Dilma por 424 votos e aprovou o Voto Impresso mas o STF julgou inconstitucional

Toda manifestação contra Jair Bolsonaro lembra, com razão, o “respeito às instituições” e à “harmonia dos poderes”, mas na prática a teoria é outra. Em 2015, sem a animosidade atual, o voto impresso foi aprovado por ampla maioria no Congresso e virou lei, mas oito ministros do STF mandaram às favas o respeito à “harmonia” e às decisões de instituições do Poder Legislativo mandando a lei para a cesta do lixo, mostrando valerem mais que os deputados e senadores eleitos pelo povo. Acontecerá de novo, caso o Congresso aprove a medida defendida por Bolsonaro. Até por ser defendida pelo presidente.

Poder supremo

O veto de Dilma à lei 13.165/15, que instituía no Brasil o voto impresso, foi derrubado por 424 parlamentares. Mas oito ministros do STF vetaram.

Estava pacificado

O TSE chegou a apresentar a nova urna com impressão do voto e design elogiado por ministros, inclusive Luis Roberto Barroso, o atual presidente.

Alegação curiosa

Às vésperas da eleição de 2018, o STF declarou a lei “inconstitucional” porque o sigilo do voto poderia ser violado “se” a impressora falhasse.

Até Gilmar gostou

Vencido na época, Gilmar Mendes criticou a impressão do voto, mas gostou da nova urna e disse que a decisão é do legislador. Só eu não.

Via Diário do Poder

Postagens relacionadas

Conferência Rio+30 vai discutir agenda ambiental em outubro

Paulo Apurina

David Almeida se reúne com bancada do Amazonas em Brasília para captação de recursos

Paulo Apurina

Polícia diz que encontrou cartão de saúde com nome de Bruno Pereira e outros itens dele e de Dom Phillips

Paulo Apurina