AMAZONAS EDUCAÇÃO

Governo propõe reservar 50% de vagas da UEA para estudantes do Amazonas

Texto enviado à Aleam não menciona cota para alunos de baixa renda

O governo do Amazonas propôs reservar a estudantes amazonenses 50% das vagas para ingresso na Universidade do Estado do Amazonas (UEA). A propositura consta no Projeto de Lei n.º 279/2024, oriundo da mensagem governamental 043/2024, apresentada à Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) no último dia 19. O texto agora será avaliado nas comissões do parlamento.

Em outubro do ano passado, o Supremo Tribunal Federal (STF) declarou inconstitucional uma lei do Amazonas que permitia a destinação de 80% das vagas para ingresso na UEA a estudantes amazonenses de escolas particulares ou públicas. 

O STF entendeu que a legislação anterior fere a garantia constitucional de que todos os cidadãos tenham direitos igualitários. No entanto, se referiu especificamente à cota de 80%, deixando em aberto que um percentual menor poderia ser aceitável dentro da lei.

A proposta do governo do Amazonas define que 40% das vagas da UEA serão destinadas para ingresso via vestibular e 60% pelo Sistema de Ingresso Seriado (SIS). Para cada uma dessas duas modalidades, 50% das vagas serão para concorrência geral (estudantes de todo o Brasil) e as outras 50% para reserva de vagas (estudantes do Amazonas). 

Para os dois casos, há vagas destinadas a pessoas com deficiência (PcD), pessoas pretas, pardas ou indígenas, alunos do interior do Amazonas e estudantes de escolas públicas. No texto enviado à Aleam, não há qualquer menção à reserva de vagas para alunos de baixa renda. A reportagem pediu esclarecimentos à UEA e aguarda retorno. 

Nas vagas destinadas a estudantes do Amazonas, há ainda reservas específicas para quem concorrer a um dos dez cursos considerados ‘estratégicos’ pelo governo. São eles: Medicina; Odontologia; Enfermagem; Direito; Administração; Ciências Contábeis; Turismo; Engenharia Civil; Sistemas de Informação; e Engenharia Florestal.

Saiba mais

O Projeto de Lei que apresenta o novo sistema de cotas foi elaborado por um grupo de trabalho composto por servidores da UEA, Casa Civil, Secretaria de Governo, Procuradoria-Geral do Estado do Amazonas e por deputados da Aleam.

Em comunicado enviado à imprensa nesta terça-feira, a reitora em exercício da UEA Kátia Couceiro destacou que a nova política não só é uma adequação, mas também um aprimoramento na distribuição das vagas da instituição.“Mais cursos estão acessíveis a cotistas oriundos do interior. Temos, ainda, uma visão social das políticas afirmativas muito clara, incluindo pretos, indígenas e Pessoas com Deficiência (PCD’s). A prioridade para o SIS, que tem o maior número de vagas, é estratégica, pois valoriza o ensino médio e incentiva o bom desempenho dos estudantes”, disse.

A UEA também ressalta, em nota, que o novo sistema abre mais oportunidades a estudantes do interior do Amazonas (aqueles que cursaram ao menos oito séries em cidades do interior), pois permite reserva de vagas específicas para acesso a um dos dez ‘cursos estratégicos’ citados anteriormente. No sistema anterior, eram apenas três cursos da saúde.

Via A Critica

#cotasregionais #uea #amazonas

Postagens relacionadas

Prefeito de Manaus, David Almeida, sanciona Lei que fortalece Educação Indígena Municipal

Paulo Apurina

MPAM emite recomendação à Prefeitura de Tapauá para que reestabeleça o funcionamento do Conselho de Alimentação Escolar

Paulo Apurina

Em menos de 24h, três institutos de pesquisas dão vitória para Wilson Lima

Vilhena
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Verified by MonsterInsights