AMAZONAS

Ipaam apresenta resultados da Operação Tamoiotatá em Workshop avaliativo

Entre os resultados, destaca-se o montante de mais de R$ 200 milhões em multas ambientais

O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) participou do Workshop de avaliação da Operação Tamoiotatá III, realizado nesta quinta-feira (25/01), no auditório da Escola Superior de Direito – UEA, localizado na rua Major Gabriel, 767, Centro. O Instituto apresentou os resultados da aplicação de tecnologias para o combate ao desmatamento e queimadas ilegais durante a terceira operação, que aconteceu de março a novembro de 2023.

De acordo com os dados da gerência de fiscalização do Ipaam, mais de R$ 200 milhões somente em multas; cerca de 275 autos de infração; 505 termos de embargos lavrados, uma quantidade de 37.091,71 hectares de áreas embargadas; e 69 termos de apreensão, durante toda a ação nos sete municípios do Sul do estado.

Além do Ipaam, participam do encontro a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), Secretaria de Segurança Pública (SSP/AM), Polícia Rodoviária Federal do Amazonas, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Polícia Civil (PC/AM), Polícia Militar (PM/AM), Corpo de Bombeiros (CB/AM), Defesa Civil (DC/AM) e a Superintendência da Polícia Federal do Amazonas (PF/AM). O Ministério Público de Contas do Estado (MPC/AM) também esteve presente no Workshop, representado pelo procurador público Ruy Marcelo Mendonça.

O diretor-presidente do Ipaam, Juliano Valente, destacou os pontos importantes do papel do órgão na operação. “O Ipaam possui duas ações principais dentro da Tamoiotatá, que é de coordenar as ações de fiscalização, tanto nas operações in loco como nas atividades do sistema remoto de monitoramento. É o Instituto quem define os alvos, as estratégias de ação e, com o apoio das forças de segurança e demais entidades envolvidas, define as ações da operação”, enfatizou Valente.

As informações apuradas, com o auxílio dos painéis de controle em tempo próximo do real do Centro de Monitoramento Ambiental e de Áreas Protegidas (CMAAP) do Ipaam, foram usadas como ferramentas para aplicação de multas e embargos pelas equipes de fiscalização nos municípios de Humaitá, Lábrea, Manicoré, Novo Aripuanã, Canutama, Tapauá, Apuí e Maués, onde se concentram os principais casos desses ilícitos ambientais. Além dos municípios citados, quatro Unidades de Conservação Estaduais (UC’s) também foram contempladas: Reservas de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Rio Madeira, Rio Amapá, RDS Igapó-Açu e RDS Juma.

O Instituto foi representado pelo analista ambiental Hermogenes Rabelo, que falou sobre as tecnologias implementadas pelo CMAAP utilizadas na Tamoiotatá e sobre os resultados do Ipaam na operação.
Ainda, de acordo com os dados coletados, cerca de 40.490,69 km foram percorridos, levando em consideração a complexidade das localidades onde foram realizadas as ações, e 525 polígonos de desmatamento foram fiscalizados.

Tamoiotatá IV

No workshop também foram realizados debates entre os órgãos envolvidos, referentes aos procedimentos a serem tomados nas ações da Tamoiotatá 2024, que deve ter início em março deste ano.

Fonte: Ipaam

Foto: Divulgação

Postagens relacionadas

TCE-AM inaugura parque de energia solar mirando autossuficiência energética

Paulo Apurina

Prefeitura oferta 227 vagas de emprego nesta segunda-feira, 30/8

Paulo Apurina

Estado antecipa obras e lança editais de licitação para construção de unidades habitacionais do Prosamin+

amazonaspix@gmail.com
Verified by MonsterInsights