EDUCAÇÃO

‘Mais Acesso’: Projeto da UEA promove cursos de capacitação para atendimento de PCDs

Cursos de capacitação são ofertados por meio de um site e aplicativo desenvolvidos por professora e alunos da universidade

Com o objetivo de promover a inclusão de pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida em diversas áreas da sociedade, o projeto ‘Mais Acesso’, da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), disponibiliza cursos de capacitação para atendimento desse público. Criado em 2021 por uma professora e alunos da universidade do Governo do Amazonas, o projeto foi reformulado e ampliado com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam).

Para a professora de Legislação e Ética da Escola Superior de Artes e Turismo (Esat) e coordenadora do ‘Mais Acesso’, Marklea Ferst, a construção do trabalho começou como um projeto de extensão da UEA voltado somente para o atendimento de pessoas PCDs no setor do turismo. Com o tempo, a demanda ficou maior e mais voluntários chegaram para fazer parte.

Para conseguir o investimento necessário para a ampliação, o projeto foi submetido a um edital da Fapeam e conseguiu recursos para a criação de um site e aplicativo, promovendo ainda mais acessibilidade no processo de aprendizagem. Atualmente, a equipe conta com 28 pessoas, entre alunos e ex-alunos voluntários, que atuam no desenvolvimento de soluções digitais de ensino e aprendizagem para capacitação.

“O grande ‘start’ do projeto se deu a partir do momento que conseguimos esse subsídio da Fapeam, porque conseguimos fazer o site, desenvolver o aplicativo para iOS e Android e também desenvolver o curso de capacitação que está distribuído gratuitamente para todas as pessoas. O investimento do Governo do Amazonas em projetos da universidade contribui para o desenvolvimento econômico e social do estado”, explicou a professora e coordenadora do projeto, Marklea Ferst.

Dentro da equipe, cada aluno desenvolve um papel. O aluno Lucas Monteiro, de 21 anos, participa do ‘Mais Acesso’ há dois anos e meio. Durante esse período, ele destaca a aprendizagem diária com a professora e outros alunos como o maior benefício.

“Entrar no projeto me influenciou profissionalmente, mas também pessoalmente. Foi ele que abriu portas para mim e me ajudou a ter uma visão mais ampla no que diz respeito à acessibilidade. Antes, eu achava que sabia muito sobre o assunto, mas quando comecei a desenvolver as atividades, fui aprendendo muito”, contou Lucas.

Segundo a equipe, o objetivo do ‘Mais Acesso’ é promover a acessibilidade, inclusão e igualdade de oportunidade para pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida. Beatriz Viana, deficiente visual, integrante do grupo, é uma das principais consultoras de atividades do site e aplicativo. Ela explica que, por ter uma deficiência, sempre lidou com obstáculos, mas participar de um projeto como esse mudou completamente a rotina dela.

“Eu era uma pessoa mais tímida e retraída. O projeto me fez lutar mais pela causa (das pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida) e ficar mais ativa. É muito importante ter pessoas que vivenciam essa realidade na equipe, porque não adianta o projeto ser voltado para a gente, mas a gente não participar”, destacou a aluna de Turismo, Beatriz Viana.

Como acessar

A plataforma “Mais Acesso” está disponível em um site e em um aplicativo. O site pode ser acessado pelo endereço www.maisacessoqualifica.com.br, onde todos os cursos de capacitação estão disponíveis. Qualquer pessoa pode participar e obter um certificado ao final de cada curso de 30h.

Fonte: Secom

Foto: Divulgação

Postagens relacionadas

Em São Sebastião do Uatumã, Wilson Lima assina ordem de serviço para construção da primeira Escola da Floresta

Vilhena

Prefeitura de Manaus divulga classificados no Programa Bolsa Universidade 2023

Vilhena

Agentes de portaria aumentam sensação de segurança nas escolas municipais de Manaus

Jamil Maciel
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Verified by MonsterInsights