AMAZONAS

Projeto-piloto Curauá: Idam será o responsável pela extensão rural direcionada a produtores da fibra

A iniciativa visa impulsionar a produção da fibra e torná-la mais uma alternativa econômica em Itacoatiara

Com o projeto-piloto da produção de fibras de curauá lançado nesta semana pelo Governo do Amazonas, o Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam) será o responsável pela disseminação de conhecimento entre os agricultores familiares da comunidade Santo Antônio de Caxinauá, no Distrito de Novo Remanso, em Itacoatiara (a 176 quilômetros de Manaus), local onde a empreitada foi ‘startada’.

A atuação do instituto no projeto visa impulsionar a produção da fibra e torná-la mais uma alternativa econômica para Itacoatiara e região. O curauá é uma espécie de abacaxi cujo cultivo é destinado à produção de fibra utilizada nas indústrias têxtil e automobilística, em outras regiões brasileiras, como uma opção substituta à fibra de vidro.

“Nosso objetivo é fomentar o setor primário amazonense com culturas que sejam promissoras. A fibra de curauá vai fortalecer a nossa produção rural, pois é um produto com destino ao Polo Industrial de Manaus (PIM) inicialmente. Então, futuramente, o agricultor familiar será beneficiado com mais esta alternativa rentável e a garantia de emprego e renda”, destacou o diretor-presidente do Idam, Vanderlei Alvino.

O projeto-piloto da produção de fibras de curauá é fruto de uma parceria público-privada, que está sob coordenação da Secretaria de Estado de Produção Rural (Sepror), em conjunto com Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação (Sedecti), o Idam, o Centro de Bionegócios da Amazônia (CBA) e a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa). Também têm envolvimento na iniciativa as empresas Unifruti, Compol e Tutiplast.

Produção local

Os técnicos da Unidade Local (UnLoc) do Idam em Novo Remanso e do Projeto Prioritário do Abacaxi vão participar de todas as etapas de implantação do projeto-piloto na Fazenda Itajaí, na comunidade Santo Antônio de Caxinauá. Eles participarão, ainda, das capacitações que serão realizadas na unidade de campo, para que futuramente a cultura do curauá possa ser estendida para outras propriedades da região.

“A partir dos resultados obtidos no projeto-piloto, a produção comercial para retirada de folhas e novos usos da fibra poderão ser ampliadaa para novas áreas”, apontou a coordenadora do Projeto Prioritário do Abacaxi, Silvia de Abreu.

A região que contempla as comunidades Novo Remanso e Vila do Engenho, em Itacoatiara, já possui o cultivo do abacaxi reconhecido com Selo Geográfico de procedência da cadeia produtiva e beneficia, atualmente, mais de 800 agricultores familiares da localidade.

“A região de Novo Remanso é o principal polo produtivo de abacaxi. O acompanhamento técnico é fundamental, pois quando houver coincidência de floração entre o curauá e o abacaxi Turiaçu, poderá ocorrer a formação de sementes. E isso só seria prejuízo aos produtores de frutos do Turiaçu, destinado ao consumo fresco”, explicou a coordenadora.

Fonte: Idam

Foto: Marfram Vieira

Postagens relacionadas

Proposta de Roberto Cidade pretende democratizar informação por meio da radiodifusão comunitária

Paulo Apurina

Lei de Roberto Cidade que regulamenta atendimento prioritário para pessoas com Espectro Autista é sancionada

Jamil Maciel

PL de Wilker que proíbe a apreensão de veículos por débitos de IPVA pelo Detran-AM é aprovado pela Assembleia Legislativa

Paulo Apurina
Verified by MonsterInsights