CULTURA

Política de três filhos é confirmada com nova lei chinesa

Medida foi adotada em maio, mas aprovada somente agora

As leis de planejamento familiar para controle populacional reduziram o número de nascimentos, e os últimos sensos demonstram isso. Depois de os casais estarem autorizados a ter uma ou duas crianças, o Congresso Nacional do Povo aprova agora a lei que formaliza a política de três filhos. A China espera ver a população aumentar para fazer face aos custos da mão de obra e envelhecimento.

Em maio passado, o governo chinês permitiu aos casais terem até três filhos. Mas só nesta sexta feira (20) foi aprovada a lei que formaliza a aplicação da nova política de planejamento familiar.

A mudança de estratégia para três filhos é acompanhada de várias resoluções que visam a incentivar o aumento da taxa de natalidade e reduzir o custo de criar mais crianças.

A taxa de manutenção social que os pais pagavam, caso ultrapassassem o número legal de filhos, foi cancelada.

Os governos locais passam a oferecer licença parental, promovendo os direitos das mulheres no emprego.

Está também previsto o aumento de infraestruturas de apoio ao acolhimento de crianças.

Na década de 70, a China implementou a política de filho único para desacelerar o crescimento populacional. Quem violasse essa política seria multado, ou a mãe obrigada a abortar. Em 2016, o Executivo chinês alterou a lei, permitindo duas crianças por casal.

De acordo com estudo divulgado na BBC, baseado na comparação dos censos entre os anos de implantação das políticas de um e dois filhos, 1979 e 2016, os nascimentos caíram pela metade.

Entre 2016 e 2020 houve queda abrupta na natividade, de 18 milhões de bebês para 12 milhões.

Segundo relatório divulgado pelo canal China Insights, o intervalo dos anos férteis para procriação das mulheres entre as idades de 20 e 34 anos na China “está diminuindo substancialmente a cada ano”. O fenômeno atingiu cerca de 17 milhões de mulheres entre 2016 e 2020 e é apontado como “principal causa da atual crise de fertilidade na China”, de acordo com o mesmo documento.

As  baixas taxas de natalidade também são preocupantes para o futuro econômico da China. “A mão de obra está dominuindo, e a população vai envelhecendo, ameaçando a estratégia industrial que a China tem usado há décadas para sair da pobreza e tornar-se uma potência econômica”, escreve Sui-Lee Wee , correspondente do The New York Times na China.

O governo chinês aposta fortemente nos meios de comunicação social do país para que a mensagem da política dos três filhos seja bem-sucedida.

O jornal People’s Daily, a emissora CCTV e a agência de notícias Xinhua publicam, desde maio, imagens de desenhos animados com crianças felizes, afirmando que a “nova política chegou”.

VIA AGÊNCIA BRASIL

Postagens relacionadas

Aniversário de 352 de Manaus terá mais de 40 artistas em 22 horas de festa no sambódromo

Paulo Apurina

Governo do Amazonas investe R$ 5,7 milhões em obras de reforma e manutenção no Bumbodrómo de Parintins

Paulo Apurina

Segunda noite de festival folclórico agita público no Centro Cultural Povos da Amazônia

Paulo Apurina